Qual a diferença entre soft skills e hard skills?

O processo de recrutamento e seleção é um dos mais importantes, pois as decisões tomadas a partir deles podem modificar completamente o ambiente e o clima organizacional.

Processos distintos, que se completam, o recrutamento é o meio de encontrar e atrair candidatos para as posições abertas na organização e, a seleção busca encontrar e contratar a pessoa certa, além de fazer com que ela se sinta parte da equipe.

-> Conheça a Jobconvo, plataforma de recrutamento e seleção!

A busca por habilidades e conhecimentos específicos para cada cargo é uma das etapas mais difíceis do processo de recrutamento e seleção. Para agilizar a busca as empresas procuram traçar o perfil ideal do candidato e requisitos da vaga.

Uma forma de facilitar o processo de recrutamento e seleção é separando em categorias as habilidades e conhecimentos dos candidatos. Para isso, as organizações buscam aplicar os conceitos de hard skills e soft skills no processo seletivo.

É importante destacar que Skill em inglês pode ser traduzido como habilidade, desse modo, ambos os conceitos trazem particularidades que o candidato a uma vaga de emprego possui. Para que seja possível entender melhor cada um dos dois conceitos, separamos as particularidades do hard skills e do soft skills. Veja a seguir:

Hard Skills

As habilidades que conseguimos atribuir e, até mesmo ensinar, são qualificadas como Hard Skills. Existem algumas habilidades que podem ser ensinadas e desenvolvidas, conquistadas pelos profissionais, que vão além daquelas já retidas pelos mesmo, todas elas se enquadram no Hard Skills do candidato.

Para identificar se o profissional possui hard skills é possível aplicar testes práticos ou até mesmo realizar perguntas sobre os cursos que ele possui, os livros que ele já leu ou treinamentos que já tenha participado. Para facilitar a identificação separamos alguns exemplos de Had Skills:

  • Proficiência em uma determinada língua;
  • Diploma ou um certificado obtido;
  • Habilidade de operar um determinado software ou um maquinário;
  • Programação de software.

É possível perceber que todas essas habilidades são tangíveis, ou seja, toda e qualquer habilidade que possa ser aprendida e facilmente quantificada se enquadra nos Hard Skills do candidato.

Soft Skills

No geral, as Hard Skills e as Soft Skills se complementam. Pois, durante as entrevistas o recrutador busca analisar e avaliar essas duas vertentes para encontrar o profissional ideal. Apesar disso, conseguir captar e identificar as Hard Skills é muito mais simples, pois são tangíveis, já as Soft Skills são intangíveis, podendo ser camufladas ou disfarçadas.

As Soft skills são mais difíceis de serem avaliadas, pois estão relacionadas a forma como o profissional se relaciona com outras pessoas. Por se tratar de um item subjetivo, a avaliação e identificação destas habilidades ocorre durante as entrevistas e, principalmente, após a contratação, sendo reconhecidas na forma como as pessoas trabalham.

Para facilitar a identificação dessas habilidades durante o processo seletivo, é preciso realizar dinâmicas de grupo ou situações em que o candidato precise simular uma atividade real de trabalho. Além disso, essa estratégia também pode ser muito útil para identificar comportamentos específicos. Veja alguns exemplos de Soft Skills:

  • Flexibilidade;
  • Comunicação;
  • Liderança;
  • Paciência;
  • Persuasão;
  • Priorização;
  • Ética;
  • Positividade.

É possível notar que, as soft skills são características da personalidade que afetam os relacionamentos no ambiente corporativo e por consequência a produtividade da equipe. Por serem habilidades difíceis de captar, é preciso desenvolver estratégias durante o processo seletivo, para identificação de cada uma das Soft Skills que o candidato possui.

Não apenas habilidades técnicas (hard skills), para preenchimento de vagas, os recrutadores precisam buscar candidatos que tenham habilidades comportamentais (soft skills) específicas. Pois, a identificação prévia resguarda o empregador. Além disso, é muito mais fácil e prático para a empresa treinar uma competência técnica do que alterar uma habilidade comportamental.